Monsenhor Lydio de Miranda Murta

 

Mons_LydioNosso Pároco, Mons. Lydio, recebeu o dom da fé e foi batizado em Joaíma, sua cidade natal, no “Vale do Jequitinhonha”. Fez o Curso de Filosofia e Teologia no Seminário de Diamantina, ordenando-se Padre em Araçuaí e foi proclamar o Evangelho nas Igrejas e Capelas desde Turmalina até Salto da Divisa.

Como pastor, servo de todos, um Padre jovem, cheio de alegria e coragem, era disponível sempre a todos e em todos os lugares, ajudando os padres que já se encontravam no apostolado, com os quais procurou apreender a beleza escondida da vocação.

Desde cedo descobriu o verdadeiro preço que os Padres devem pagar, com a própria vida, pelas almas.

Tornou-se um doador de amor, de força e dedicação. Fixou-se em Almenara onde, além de Padre e Professor, foi nomeado Diretor do Ginásio e Escola Dr. Fernando de Magalhães. Mais tarde foi chamado para ser Reitor do Seminário, em Araçuaí e lá, com a Vacância Episcopal, foi designado pela Nunciatura Apostólica como Delegado Episcopal da Diocese de Araçuaí.

Em 1985 veio para Belo Horizonte como Assessor Representante da FAE, Órgão do Ministério da Educação em Minas Gerais, sem se descuidar dos compromissos sacerdotais. Começou a entender melhor porque o Senhor lhe trouxe para cá e descobriu que nada é por demais serviçal, por demais simples, por demais pequeno ou humilde para se interessar ou fazer.

Assim, em 1988 foi enviado como Pároco da Igreja Nossa Senhora de Nazaré. “Nazaré”! Por que se sentiu tão atraído por esta Palavra?  Por certo para viver em Nazaré como carpinteiro, um trabalhador. Aprender a carregar o peso e compartilhar o trabalho de seus irmãos leigos e irmãs, com objetivo de servir e restaurar outros para o Senhor. Para que, pelo sacerdócio, mostrasse, uma vez mais, que Ele o levará até caminhos humildes e pequenas trilhas, trilhas do dia a dia, trilhas das pequenas coisas. Emociona-se com aquele pedaço de pão e aquele cálice de vinho que fica diante dele na mesa do Altar na missa e, por ele, em um instante se torna carne e sangue do Senhor. Este mistério o leva a celebrar a missa todos dias para que sejam todos “consumidos” pelo Amor de Cristo!